EXAMES

Confira as especialidades da Gastroclínica.


Colonoscopia

Esse é um exame preventivo, com foco no intestino grosso, que permite a visualização do interior do cólon. No procedimento é possível verificar todo o intestino grosso do paciente e, se encontrado algum pólipo (uma lesão pré-cancerígena), ele é retirado no exato momento.

É recomendado que pessoas acima de 40 anos realizem o exame. Se não houver problemas, a colonoscopia pode ser repetida a cada cinco anos, como forma de prevenção. 

O exame previne o câncer no intestino, um câncer extremamente traiçoeiro – na fase inicial não apresenta sintomas, e por isso o paciente não procura o médico. Realizando os exames preventivos é possível detectar a doença já em fase avançada.

Fique atento quanto a dores, sangramentos ou alterações no sistema digestivo ou intestinal. Na dúvida, procure um especialista.

As indicações para realização da colonoscopia são:

  • Em caso de sangramento pelo ânus; alteração da frequência das evacuações ou consistência das fezes
  • Confirmar hipótese de colite e prevenir o câncer do intestino grosso
  • Acompanhar paciente já submetidos a remoção de pólipos do intestino grosso e investigar sintomas abdominais de origem incerta

Como é feita a colonoscopia:
Durante o exame, o paciente fica sedado e deitado sobre o lado esquerdo com os joelhos dobrados e encostados na barriga. 

Na colonoscopia, o colonoscópio é introduzido pelo ânus até o início do intestino delgado. O aparelho possui uma micro câmera que grava imagens de todo o trajeto e tem uma parte articulada, capaz de girar em vários ângulos, facilitando a visualização do interior do cólon.

O exame dura, em média, 30 a 45 minutos e também pode ser realizado para recolher biópsias ou retirar pólipos. 

Durante o exame, é preciso que haja ar dentro do intestino, por isso, enquanto o colonoscópio é introduzido, ele mesmo vai jogando ar (gás carbônico) para dentro, descolando as paredes do intestino. O desconforto que o paciente sente, como cólicas se deve ao ar usado para inflar o cólon. É comum a eliminação de flatos (soltar pum) e não se deve ter vergonha e nem impedir a saída desses gases, pois eles auxiliam o médico a calcular a tolerância à insuflação.  

O exame pode ser feito sem sedação, com sedação leve ou profunda. É comum os pacientes ficarem sonolentos, mas acordados – devido a isso, é necessário o acompanhamento para a realização da colonoscopia. 

Requisitos para realização do exame:
 Antes do exame, o cólon deve estar completamente limpo para que o médico possa visualizar a mucosa do cólon sem interferências. 

O preparo consiste de uma dieta livre de alimentos sólidos por um a três dias. A melhor forma de limpar o cólon é a utilização de um laxante forte para tomar na noite anterior ao exame. 

Também é importante ingerir grande quantidade de líquidos como suco, água, chá comum e 
bebidas esportivas. É ideal evitar refrigerantes e leite.

A colonoscopia é indicada para quem tem mais de 50 anos e a partir dos 30 anos para pessoas com caso de câncer na família. 

Endoscopia

A endoscopia passou por grande modernização. Antes era usada apenas para diagnóstico e agora já é possível fazer tratamentos através dela, como a retirada de câncer e cálculo do canal do fígado. 
É um exame que analisa a mucosa do esôfago, estômago e a primeira parte do intestino delgado.  O objetivo é diagnosticar e tratar doenças do sistema digestivo.

O indicado é que, a partir dos 40 anos, a pessoa faça o exame anualmente para prevenir o câncer, pois a maioria dos cânceres de estômago e de intestino é silenciosa. Azia, cólica e dor constante pode indicar um problema, por isso, é preciso ficar atento a qualquer mudança no organismo.
A endoscopia é feita com um tubo fino e flexível que possui uma câmera na sua extremidade, responsável por capturar as imagens do sistema digestivo, as quais são transmitidas a um monitor de vídeo.

As indicações para realização da endoscopia são:
  • Se estiver com dores abdominais, náuseas, vômitos e dificuldade de engolir
  • Para descobrir sangramentos do trato gastrointestinal
  • Detectar úlceras e tumores
  • Diagnosticar a presença de bactérias causadoras da gastrite e úlcera
  • Tratar diversas doenças como dilatação de áreas estreitadas, interromper sangramento de úlceras, ocluir varizes no esôfago e retirar tumores malignos e benignos, com pouco ou nenhum desconforto
  • Paciente que apresenta fezes negras
  • Apresentar dor ao engolir e náuseas e vômitos que não passam
  • Estar com dor ou desconforto na parte superior do abdômen

O exame é a melhor forma de detectar sangramentos, realização de biópsias e tratamento de úlceras.

Como é feita a endoscopia digestiva alta:
É um exame rápido, com duração de até 20 minutos, que não necessita de internação. 

Um anestésico é borrifado na garganta para deixá-la dormente e permitir a passagem do endoscópio. Após, o paciente é colocado de lado e uma solução sedativa é aplicada na veia, para que o mesmo fique relaxado ou durma.

Depois disso, uma peça oca é colocada na boca, por meio da qual o endoscópico é introduzido pela garganta sendo empurrado lentamente até chegar ao esôfago, estômago e duodeno. O aparelho não interfere na respiração e nem causa dores. 

O chip que existe na extremidade do endoscópico captura imagens que são transmitidas para uma tela em tempo real. Durante o exame o gastroenterologista avalia o estado da mucosa e procura possíveis lesões.
 
Requisitos para realização do exame:
  • Jejum durante 8h antes da endoscopia e assinatura de termo de consentimento. 
  • Ir acompanhado. Como o exame passa por sedação, o paciente pode apresentar dificuldades para locomoção, retardo nos reflexos e por isso não pode dirigir.

Contraindicações: 
As contraindicações são voltadas a pessoas que possuem problemas cardíacos, respiratórios ou neurológicos, além de pacientes alérgicos a alguma medicação. 

Nasofibrolaringoscopia

É uma avaliação endoscópica das cavidades nasais, faringe e laringe. Detecta alterações como desvio de septo nasal, hipertrofia de cornetos e presença de pólipos.

Quando o exame é solicitado:
É útil para avaliar distúrbios das vias aéreas superiores como rinite, sinusite, obstrução nasal, ronco e apneia do sono.

Como é feita a nasofibrolaringoscopia:
É um exame simples com anestesia tópica nasal. Um spray anestésico é aplicado e depois introduzido um endoscópico flexível com câmera em cada uma das fossas nasais.

O exame não é doloroso, dura em média 10 minutos e recomenda-se jejum de duas horas antes de sua realização.

Retossigmoidoscopia

É um exame que diagnostica doenças da porção final do intestino grosso (reto e sigmóide) e ânus. Serve também para avaliar a mucosa do reto, verificar a presença de câncer retal e pólipos intestinais. Assim como nos outros exames, o instrumento utilizado é um tubo flexível com cerca de um metro de comprimento e com mini-câmera na extremidade.
Por meio do exame, podem-se identificar patologias como hemorróida, fissuras e fístulas, até doenças inflamatórias e crônicas.

Quando o exame é solicitado:
  • Se o paciente apresentar os seguintes sintomas:
  • Dor ao evacuar
  • Secreções anormais (muco ou pus)
  • Dor retal
  • Diarreia crônica
  • Alteração no ritmo das evacuações
  • Perda espontânea das fezes

Como é feita a retossigmoidoscopia:
O paciente fica deitado do lado esquerdo e o médico realiza um toque retal com o dedo lubrificado com xilocaína, um anestésico local. Após o toque o fibroscópio é introduzido pelo ânus até o sigmóide. Durante esse trajeto são tiradas fotos e podem ser realizadas biópsias do tecido.

O exame é rápido – dura em média 10 minutos – e o desconforto é mínimo, com sensação de cólica por alguns instantes. A aplicação de sedativo não é obrigatória.

Requisitos para realização do exame:
Não é necessário jejum nem alterar a alimentação antes do exame. A única recomendação é que seja feita uma lavagem intestinal pelo próprio paciente para uma melhor visualização do reto.

AGENDE O SEU EXAME

43 3372.0055