Câncer de estômago pode ser prevenido

12 de Fevereiro de 2019

Câncer de estômago pode ser prevenido

O câncer de estômago é o terceiro tipo mais frequente entre homens e o quinto entre as mulheres, segundo dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer). Ele é mais frequente em pacientes com mais de 50 anos.

Alguns fatores como a hereditariedade ( parentes de primeiro grau ) e os fatores ambientais aumentam o risco da doença, dentre eles: alcoolismo, tabagismo, obesidade, consumo excessivo de sal e infecções provocadas pela bactéria Helicobater pylori (H.pylori). “Nem todos os pacientes que têm a bactéria H. pylori no estômago vão desenvolver a doença”, explica o médico Anselmo Nunes Duarte Júnior, cirurgião oncológico da equipe do Hospital Gastroclínica que atua também no Hospital do Câncer de Londrina e na Santa Casa.
Os principais sintomas da doença são: vômito com sangue, sangramento nas fezes ( cor da borra de café), perda de peso, cansaço, anemia, dor no estômago (que tanto pode indicar uma gastrite ou ulcera que são doenças benignas) como um tumor de estômago, dentre outros. “ A pessoa que tem uma dor crônica no estômago não deve se automedicar. É fundamental que ela faça uma consulta com um médico para identificar qual é o problema”, salienta o dr. Anselmo Nunes. 
Exames diagnóstico
A endoscopia digestiva alta com biopsia ( retirada de pequeno fragmentos do tecido que são enviados para o laboratório de análises clínicas) são os exames realizados para diagnosticar a doença. Caso seja confirmado o câncer de estômago, o médico solicitará uma tomografia computadorizada para identificar a extensão da doença ( se tem metástase ou não). “ Todo tipo de câncer é passível de cura quando o diagnóstico é feito precocemente”, salienta o cirurgião oncológico. 
Tratamentos 
A cirurgia é o tratamento indicado quando o câncer que está restrito somente ao estômago. Em alguns casos são indicados a realização de quimioterapia ( antes e/ou após a cirurgia). Também pode ser necessário o tratamento com radioterapia após a cirurgia.
Em casos em que não é possível retirar o tumor com cirurgia ou em que há metástase ( câncer espalhado para outros órgãos) o tratamento é paliativo.

  • COMPARTILHAR

CÂNCER DE ESTÔMAGO PODE SER PREVENIDO

12 de Fevereiro de 2019

CÂNCER DE ESTÔMAGO PODE SER PREVENIDO

O câncer de estômago é o terceiro tipo mais frequente entre homens e o quinto entre as mulheres, segundo dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer). Ele é mais frequente em pacientes com mais de 50 anos.

Alguns fatores como a hereditariedade ( parentes de primeiro grau ) e os fatores ambientais aumentam o risco da doença, dentre eles: alcoolismo, tabagismo, obesidade, consumo excessivo de sal e infecções provocadas pela bactéria Helicobater pylori (H.pylori). “Nem todos os pacientes que têm a bactéria H. pylori no estômago vão desenvolver a doença”, explica o médico Anselmo Nunes Duarte Júnior, cirurgião oncológico da equipe do Hospital Gastroclínica que atua também no Hospital do Câncer de Londrina e na Santa Casa.
Os principais sintomas da doença são: vômito com sangue, sangramento nas fezes ( cor da borra de café), perda de peso, cansaço, anemia, dor no estômago (que tanto pode indicar uma gastrite ou ulcera que são doenças benignas) como um tumor de estômago, dentre outros. “ A pessoa que tem uma dor crônica no estômago não deve se automedicar. É fundamental que ela faça uma consulta com um médico para identificar qual é o problema”, salienta o dr. Anselmo Nunes. 
Exames diagnóstico
A endoscopia digestiva alta com biopsia ( retirada de pequeno fragmentos do tecido que são enviados para o laboratório de análises clínicas) são os exames realizados para diagnosticar a doença. Caso seja confirmado o câncer de estômago, o médico solicitará uma tomografia computadorizada para identificar a extensão da doença ( se tem metástase ou não). “ Todo tipo de câncer é passível de cura quando o diagnóstico é feito precocemente”, salienta o cirurgião oncológico. 
Tratamentos 
A cirurgia é o tratamento indicado quando o câncer que está restrito somente ao estômago. Em alguns casos são indicados a realização de quimioterapia ( antes e/ou após a cirurgia). Também pode ser necessário o tratamento com radioterapia após a cirurgia.
Em casos em que não é possível retirar o tumor com cirurgia ou em que há metástase ( câncer espalhado para outros órgãos) o tratamento é paliativo.

  • COMPARTILHAR

CONHEÇA OS NOSSOS SERVIÇOS

Exames

Cirurgia

AGENDE A SUA CONSULTA

43 3372.0055